Notícias

AGOSTO/2011 - ANIVERSÁRIO DA APLM

 

No dia 03 de setembro de 2011 a Academia paraibana de Letras Maçônicas-APLM comemorou o seu sétimo aniversário, cujo momento festivo foi celebrado através da brilhante palestra do Ir.'. Acadêmico Edison Roberto Cabral da Silva, intitulada SABEDORIA, FORÇA E BELEZA, contando com a presença dos membros da aniversariante e dos seguintes sodalícios: Academia Maçônica de Letras de Olinda-PE, Academia Sertaneja de Filosofia Maçônica e Academia de Artes Ciências e Letras do GOPB.

 

 

Na oportunidade, o Presidente da Academia Maçônica de Letras de Olinda-PE agraciou com sua medalha ao Grão-Mestre do GOB-PB, o Ir.'. Aderaldo Pereira de Oliveira e as demais academias presentes ao evento

O Presidente da APLM presenteou aos demais sodalícios com uma réplica do nosso estandarte

Logo após a Sessão foi oferecido um ágape a todos os convidados, amigos e familiares que estiveram presentes.

 

 


 

POSSE - NOVOS ACADÊMICOS

No dia 03 de outubro de 2009, em Sessão Magna de Posse, foram investidos nas cadeiras de nº 26 o Acadêmico Afrânio de Aragão, tendo como patrono seu pai Pedro d'Aragão e na de nº 27 o Acadêmico Juvenal da Roz, cujo patrono é Hipólito José da Costa.

Para mais fotos do evento clique aqui


PALESTRAS

O Presidente da Academia Praibana de Letras Maçônicas, Acadêmico Edigley de Brito Bastos, atendendo ao convite da ARLS José Pessoa da Costa - nº 22 - Grande Loja da Paraíba - Oriente de Solânea-PB, participou das festividades de 40 anos de fundação da referida Oficina, proferindo no dia 20/09/2009 a palestra A MAÇONARIA E OS MOVIMENTOS POLÍTICOS E SOCIAIS NO BRASIL.

 

No dia 20 de agosto o Imortal Almir Alves Dionísio, proferiu a palestra baseada em sua obra literária de mesmo nome, intitulada UMA BREVE VISÃO MAÇÔNICA DOS ALICERCES DAS FORÇAS ESPIRITUAIS, na Sessão Conjunta realizada pelas Lojas Mestres da Liberdade e Tabajara.

Na ocasião estavam presentes vários outros acadêmicos que prestigiaram o evento.


FILOSOFIA

O Acadêmico Flamarion Tavares Leite concedeu entrevista a Revista Filosofia, Ciência & Vida, traçando uma breve analise do pensamento kantiano, discorrida de forma didática em seu recente lançamento literário pela Editora Vozes: 10 Lições sobre Kant.

Confiram a entrevista na íntegra aqui

 


ABERTA INSCRIÇÕES PARA MEMBROS EFETIVOS

Edital de Abertura


Atualizações na Página

13/08/2008

- Inclusão da página Legislação na área Institucional.

29/07/2008

- Lançamento da 3ª Edição do livro "JOAQUIM GONÇALVES LEDO E A EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL 1808-1822", de autoria do Acadêmico Ir.'. Francisco de Assis Varela. Mais detalhes clique aqui.

17/07/2008

-Inclusão dos nome dos novos acadêmicos: membros efetivos, correspondentes e beneméritos;

-Atualização da nova diretoria para o bienio 2008/2009;

 


Discurso Proferido por JOSÉ ROMILDO DE SOUSA

em sua posse a Cadeira de nº 24 da APLM - Patrono Enaldo Torres Fernandes

25 de Agosto de 2007

Excelentíssimo Senhor
Presidente da Academia Paraibana de Letras Maçônicas
Dr. Francisco Elmiro de Sousa Filho,
na pessoa de quem saúdo todos os demais
ilustres integrantes da Mesa dos Trabalhos;

Exmo. Senhor Aderaldo Pereira de Oliveira, a quem agradeço sensibilizado, pelas palavras generosas que proferiu ao meu respeito.

Excelentíssimos Senhores Acadêmicos – meus irmãos maçônicos – homens livres e de bons costumes.

Gostaria inicialmente de também agradecer ao Grande Arquiteto do Universo que tem orientado meus passos e minhas ações, na constante busca para atingir os objetivos almejados na caminhada que venho traçando para o meu crescimento literário.

E dizer da intensa emoção que me envolve neste momento, quando mais uma etapa da minha vida está preste a se consolidar, com o ingresso na Academia Paraibana de Letras Maçônicas - Venerável Templo de Sabedoria e Inteligência - graças a todos vocês meus irmãos, o que me deixa imensamente honrado e agradecido.

Jamais esquecerei atitude tão generosa!

A CHEGADA NA ACADEMIA

Foi com grande contentamento que recebi em 18 de outubro de 2005, desta Academia o comunicado de que, em Sessão Eleitoral realizada no dia 08, no Templo Nobre da Sereníssima Grande Loja da Paraíba, o meu nome havia sido escolhido para ser o seu primeiro sócio, como Membro Correspondente.

Para maior satisfação ainda, a oficialização deste ato, ocorrido em 22 de abril do ano passado, se concretizou na mesma solenidade em que tomava posse como membro efetivo desta Instituição, o Poderoso Irmão Flamarion Tavares Leite.

Eu, que já me sentia bastante gratificado com a honra que vocês me outorgaram ao eleger-me vosso representante, tornou-se maior, neste momento, quando estou prestes a ingressar, como sócio efetivo, neste respeitável Grêmio.

É um prazer incomensurável!

De uma coisa tenham certeza nobres acadêmicos: não medirei esforços no sentido de retribuir a todos vocês, com substanciosas ações, o inolvidável momento que vivo agora.

Que o Pai Eterno seja testemunha das minhas palavras.

A ESCOLHA DO PADRINHO E DO PATRONO

Ao ser informado sobre a minha escolha para compor o quadro efetivo da Academia Paraibana de Letras Maçônicas, algumas solicitações me foram feitas, na oportunidade. Dentre elas, a indicação do nome de uma pessoa para ser o meu padrinho e de outra, para patrono.

Creiam-me senhores acadêmicos, não tive a menor indecisão para cumprir esta tarefa. Os nomes me vieram na hora: Aderaldo Pereira de Oliveira e Enaldo Torres Fernandes.

Aderaldo por ter sido o responsável, além da minha iniciação na Maçonaria – notadamente na Augusta e Respeitável Loja Simbólica Pedro Cruz Guedes, no Oriente de Patos, em 2001, quando, também, de suas mãos recebi o diploma que me tornava sócio correspondente desta Academia.

Quanto a Enaldo, este foi o grande incentivador do gosto que adquiri pela historiografia. Inclusive, por me fornecer farto material de pesquisa e, até chegando a montar peça teatral sobre a evolução histórica de Patos, na qual tive a satisfação de participar do elenco. Foi uma convivência fraterna, agradável e frutífera.

Aderaldo e Enaldo: nomes que se entrelaçam até na rima poética e, principalmente, no desejo incontido de servir ao próximo. Estes os meus estimados irmãos os quais não poderia deixar de reverenciar na imensa alegria desta noite.

AS CONSIDERAÇÕES FINAIS

Finalizando, desejo agradecer aos irmãos acadêmicos que me escolheram para mais esta missão, me colocando sempre a disposição - “em pé e a ordem” – para o labutar cotidiano e – ao mesmo tempo - suplicar ao Grande Arquiteto do Universo que continue a me inspirar e iluminar meu caminho, para que eu possa corresponder à expectativa e a confiança dos irmãos que me elegeram para esta Casa de Cultura.

Muito obrigado a todos!

 


 

Deferida liminar para desembargador que exerce atividades em loja maçônica - 26/4/2007 09:42

A ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, do Supremo Tribunal Federal (STF) deferiu liminar no Mandado de Segurança (MS) 26551, impetrado pelo desembargador Pedro Luiz Ricardo Gagliardi, que pede para continuar exercendo atividades em loja maçônica.

O MS questiona decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que, em reclamação disciplinar, decidiu pela impossibilidade do magistrado exercer, ao mesmo tempo, seu cargo de desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e
as funções de Grão Mestre na Grande Loja Maçônica.

O Órgão Especial do TJ-SP entendeu, por maioria, que não existe impedimento para o exercício concomitante das duas funções. No entanto, o CNJ determinou o dia 31 de março como prazo limite para que Gagliardi deixasse uma das funções sob pena de ser punido por infração disciplinar.

O desembargador pediu liminar alegando que “não teve assegurado todos os meios para a defesa plena em agravo de seus direitos”. Assim, pediu para que a determinação do CNJ em relação ao afastamento fique sustada até o julgamento final do mandado de segurança. No mérito, pede que seja instaurado um novo processo que se demonstre conforme o devido processo legal.

Decisão

A relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, considerou que o pedido de liminaré relevante uma vez que, caso o desembargador se afaste, e o pedido seja atendido no mérito, haveria conseqüências graves e impossíveis de serem refeitas.

Dessa forma, a relatora deferiu pedido para que o prazo, determinado pelo CNJ não tenha que ser cumprido. “Defiro, portanto, a liminar apenas para que o nobre Conselho Nacional de Justiça não dote de eficácia qualquer medida ou
providência punitiva imputada ao impetrante, pela acumulação do cargo e da função, até o julgamento da presente ação”, decidiu a ministra Cármen Lúcia.